Fisioterapeuta nos EUA: conheça o processo

Tempo de leitura: 5 minutos

Estatísticas mostram que cresce o número de profissionais da área da saúde que deixam o Brasil para trabalhar legalmente, exercendo sua profissão nos Estados Unidos. Ofertas de vagas em clínicas e hospitais, mais oportunidades para desenvolvimento da carreira e salários atrativos são as principais motivações. Da mesma forma, o interesse de profissionais brasileiros que querem atuar como fisioterapeuta nos EUA vem aumentando gradativamente pelos mesmos motivos, e também pela possibilidade de se conseguir o Green Card, devido à alta demanda por profissionais dessa área.

De acordo com dados da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos (BLS), a expectativa é que o emprego de fisioterapeuta cresça 21% entre 2020 e 2030. Levantamentos ainda apontam que, em média, cerca de 15.600 vagas para fisioterapeutas surgem a cada ano, ao longo da última década.

Em partes, o que explica esse aumento é o crescimento da demanda por fisioterapia vinda dos idosos, que estão ficando mais ativos e são mais propensos a sofrer lesões relacionadas à mobilidade e estão mais susceptíveis a doenças crônicas que requerem fisioterapia para reabilitação.

Para atuar como fisioterapeuta nos EUA, esses profissionais precisam estar atentos às exigências, legislação e documentação necessária. Acompanhe este artigo e conheça quais são esses requisitos!

Fisioterapeuta nos EUA: requisitos

Para atuar profissionalmente como fisioterapeuta nos EUA, é preciso estar atento às exigências, principalmente porque os requisitos podem variar de um estado para outro.

Curso superior e registro no Crefito

Além de possuir formação superior no Brasil, que é o primeiro passo para garantir a atuação de um fisioterapeuta, é importante que o profissional possua registro no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – Crefito, órgão responsável por regulamentar a profissão.

Experiência de trabalho

Outro fator fundamental no processo para conseguir atuar como fisioterapeuta nos EUA é a experiência de trabalho na área, que reforça a capacidade desse profissional de exercer a atividade em diversas possibilidades trazidas pela profissão.

Fisioterapeuta nos EUA: comprovar proficiência em inglês

O interessado em atuar como fisioterapeuta nos EUA deverá atingir a nota mínima exigida pela jurisdição (estado) escolhida no Test of English as a Foreign Language – TOEFL. As notas mínimas do reading, listening, writing e speaking dependem do estado escolhido.

Fisioterapeuta nos EUA: validação do diploma

A escolha do estado onde o profissional irá atuar é muito importante, pois, em cada local há leis específicas e requerimentos para a inscrição de profissionais nos respectivos Conselhos de Fisioterapia Estaduais – State Board of Physical Therapy.

Após essa etapa, o candidato deve fazer a acreditação do seu diploma brasileiro junto a uma entidade de Credential Evaluation Services aceita pela sua jurisdição estadual. Nela, é feita a avaliação do histórico e ementa das matérias cursadas e do diploma que ele obteve em instituições fora dos EUA, para certificar que é equivalente com os das universidades americanas e, caso não seja, quais matérias ele precisará cursar.

A análise do diploma brasileiro de fisioterapia é feito pela Foreign Credentialing Commission on Physical Therapy (FCCPT), entidade que faz essa acreditação e é aceita por todas as 53 jurisdições norte-americanas.

Fisioterapeuta nos EUA: exame NPTE

Atendendo aos requisitos exigidos pelo Conselho de Fisioterapia da jurisdição escolhida, o candidato estará apto a realizar o National Physical Therapy Examination – NPTE, cuja aprovação é requisito obrigatório para todos os profissionais que desejam atuar como fisioterapeuta nos EUA. Além disso, na maioria dos estados, também é exigida a realização de um exame de legislação estadual.

Com a aprovação nos exames, o profissional terá um licenciamento temporário que lhe permitirá fazer o clinical service até o recebimento da carteira definitiva. É sempre importante reforçar que pode haver mudanças nos requisitos e horas clínicas por estado.

Licença Estadual

Para solicitar uma licença estadual, é preciso seguir as etapas descritas abaixo:

  1. Entre em contato com sua autoridade de licenciamento para descobrir quais são as exigências;
  2. Solicite um pedido de licenciamento de sua autoridade de licenciamento. Preencha o formulário, pague as taxas e siga as instruções para envio;
  3. Inscreva-se para exames como o NPTE e/ou exame de jurisprudência usando o sistema de processamento online do FSBPT.

Exame de Jurisprudência

Um exame de jurisprudência é um teste das leis e regras do estado em que o profissional irá atuar. Todos os fisioterapeutas licenciados (PTs) e assistentes de fisioterapeutas (PTAs) devem estar familiarizados com o ato de prática e as regras sob as quais eles estão autorizados a trabalhar.

Atualmente, mais da metade dos estados americanos exigem um exame de jurisprudência para o licenciamento inicial, sendo exigido em 29 estados para licenciamento PT e em 27 estados para licenciamento PTA. Para obter uma lista desses estados, bem como outros requisitos para licenciamento, consulte o guia de referência de licenciamento.

Fisioterapeuta nos EUA:  visto

visto EB-2 é um visto americano destinado a profissionais estrangeiros experientes. Trata-se de de uma categoria “employment based”, também conhecida como “visto para trabalhadores com habilidades excepcionais”.

Profissionais estrangeiros que possuem experiência comprovada em sua carreira, como é o caso de fisioterapeutas, têm grandes chances de conseguir o EB-2.

Para ser elegível para os visto EB-2, é preciso preencher um destes três requisitos impostos pela imigração americana:

  1. Possuir Advanced Degree (mestrado e/ou doutorado); ou
  2. Possuir bacharelado, mas com cinco anos de experiência progressiva comprovada no campo de trabalho; ou
  3. Possuir capacidade excepcional na área de Ciências em geral, Artes ou Negócios, demonstrada pelo cumprimento de três das exigências a seguir:
  • diploma educacional na área;
  • cartas documentando ao menos dez anos de experiência;
  • licença profissional;
  • comprovação de que recebeu remuneração compatível;
  • filiação a associação profissional;
  • resultados profissionais significativos.

É importante frisar que, para ser elegível para o visto EB-2, é preciso cumprir apenas um destes 3 requisitos. Cumprir mais de um requisito não torna o requerente “mais elegível”; ou seja, não faz diferença para estar apto a solicitar o visto.

Se você é elegível, existem dois caminhos para fazer o requerimento do visto EB-2:

  1. Ter uma vaga de trabalho à sua disposição nos Estados Unidos, via Labor Certification, oferecida por uma empresa norte americana; ou
  2. Pedir a dispensa da vaga de trabalho via National Interest Waiver (NIW), comprovando que sua presença nos EUA é relevante ao país.

Caso opte por fazer o processo de requerimento do visto EB-2 por NIW (dispensa por força de interesse nacional), é importante reunir o maior número de documentos que comprovem a relevância da sua atuação profissional; assim, serão maiores as chances de ter o visto deferido.

A modalidade National Interest Waiver – NIW é uma ótima alternativa para fisioterapeutas. Trata-se de uma forma de conquistar o Green Card apenas comprovando formação acadêmica e experiência profissional, sem a necessidade de ter uma job offer (oferta de trabalho) nos Estados Unidos.

O deferimento de um visto EB-2 concede automaticamente o Green Card não apenas ao solicitante, como também garante residência permanente a seu cônjuge e dependentes.

Fisioterapeuta nos EUA:  salário

Assim como em diversas áreas e profissões, o salário de um profissional que atua nos EUA pode variar conforme seu conhecimento, suas experiências, a área de atuação e até mesmo o estado ou cidade onde escolhe morar.

Em termos de experiência e tempo de formação, por exemplo, um profissional com tempo intermediário de carreira pode chegar a ganhar 8% a mais do que a média, enquanto um fisioterapeuta de nível mais avançado pode chegar a ter ganhos maiores que 22%.

Levantamento feito pela Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos (BLS) mostra que a média salarial para fisioterapeuta nos EUA é de US$ 91 mil ao ano, o que equivale a US$ 44 por hora de trabalho. Já o salário anual pode variar de US$ 63,5 mil a US$ 123,7 mil.

O portal apresenta ainda uma lista com os estados onde encontram-se os melhores salários anuais:

  • Nevada: US$ 108,6 mil;
  • Califórnia: US$ 104,5 mil;
  • Alasca: US$ 101,2 mil;
  • Nova Jersey: US$ 100,7 mil;
  • Connecticut: US$ 100,6 mil.

Há ainda dados que apontam as áreas com melhores salários anuais para se atuar como fisioterapeuta nos EUA:

  • Esportes: US$ 108,5 mil;
  • Centros de atendimento: US$ 105,6 mil;
  • Atendimento individual e familiar: US$ 101,2 mil;
  • Creches: US$ 99,9 mil;
  • Serviços administrativos: US$ 98,5 mil.

A Bicalho te auxilia para conseguir o visto EB2-NIW

Morar e trabalhar nos Estados Unidos é o sonho de muitos profissionais, especialmente para aqueles que querem atuar como fisioterapeuta nos EUA. Realizá-lo pode ser ainda mais fácil ao optar por contar com o suporte de uma assessoria em todas as etapas.

A Bicalho é uma consultoria especializada em processos migratórios para o país e está preparada para auxiliar no requerimento do visto EB-2 via NIW.

Saiba mais sobre esse serviço.

Compartilhe esse conteúdo